quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Relato sobre o trabalho efetuado com os alunos da EMEF Antonia e Artur Begbie

Percebe-se a falta de hábito da grande maioria das pessoas de não observar com atenção o ambiente em que vivem. O fato de a maioria sempre estar na correria do dia-a-dia faz com que essa parada seja cada vez mais difícil. E o jovem também está incluído nesse grupo, alguns por assumirem as responsabilidades de um adulto e muitos outros por estarem muito preocupados com o seu próprio “eu”. Olhar para o meio em que vivem, analisá-lo e perceber-se como parte de um todo torna-se uma tarefa bastante rara entre eles. Pensando nisso, surge a necessidade de se construir um trabalho com os adolescentes de 8ª série, do Ensino Fundamental, no qual se consiga ligar os conteúdos de Língua Portuguesa e Literatura a essa necessidade de observação.

No primeiro momento, foram utilizados textos de autores conhecidos da Literatura, com enfoque na maneira como eles observavam o espaço em que viviam, como Canção do Exílio, de Gonçalves Dias ou Outra canção do exílio, de Eduardo Alves da Costa. Além de poemas, foram trabalhados crônicas e contos e trechos de livros, como Solte os cachorros, de Adélia Prado.

Após análise dos diferentes gêneros, na busca de interpretações e significados próximos às vivências dos alunos, houve a seguinte proposta:

1. Coletar imagens do meio em que os alunos vivem através de fotos;

2. Escrever observações sobre esse meio;

3. Criar um poema relacionado com o que foi efetuado;

4. Gravar em cd ou confeccionar um portifólio.




segunda-feira, 14 de setembro de 2009

A paz como resultado de pequenas atitudes

Estamos vivendo numa sociedade em que a intolerância aparece de maneira abrupta na grande maioria dos ambientes. Como consequência, vemos situações de violência em momentos que um simples “por favor” poderia solucionar o problema.

A escola é o espaço privilegiado para a prática da tolerância, pois é o lugar onde nos encontramos para uma troca constante de pontos de vista, de aprendizagens, seja de maneira formal ou informal. Pensando nisso, é muito triste que a violência verbal faça parte da prática das pessoas que têm como função ser multiplicador de ideias e valores.

Num momento em que a escola deve ser o exemplo para que a paz seja irradiada em nossa sociedade, a prática de atitudes positivas deve ser constante em todos os momentos. Palavras como por favor, obrigado são exemplos de um bom começo para se construir um ambiente de harmonia e bem-estar.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Campanha do Obrigado - da escola para casa

Sempre que passamos aquilo em que se acredita de verdade na sala de aula a repercussão é positiva. Prova disso é quando há relatos de que aquilo que se vivenciou no espaço escolar teve reflexos em casa.
Numa reunião de pais há alguns dias atrás (29/08) houve o relato de uma mãe que a Campanha do Obrigado, efetuada com os alunos, tem sido ensinada ao irmãozinho mais novo em casa.
A intenção é exatamente essa.